Cai a primeira secretária de Educação do município

Professora Esmênia volta a ser vice-prefeita

Um dos últimos nomes anunciados pelo prefeito Braide para compor sua equipe, a professora Esmênia Miranda, uma mulher, negra e professora, foi escolhida para ocupar a direção da Secretaria Municipal de Educação (Semed) com a promessa de que finalmente as demandas históricas da educação pública de São Luís seriam vistas como prioridade. Ontem, 03, por meio de postagens nas redes sociais, o prefeito informou a saída da professora do cargo, após apenas cinco meses na gestão, assumindo sua vaga Marco Moura, que deixa a escola de Governo e Gestão Municipal.

O Sindeducação vê com extrema preocupação a tão rápida mudança no primeiro escalão do governo, justamente neste cenário de tamanhas incertezas para a área da educação, que enfrenta uma crise sem precedentes, inclusive com a pandemia da covid-19 escancarando os problemas estruturais da rede. Fazer uma troca de secretários neste momento pode significar dar mais um passo atrás na educação pública municipal, tendo em vista que a Prefeitura de São Luís sequer deu uma resposta com relação às condições necessárias para a condução das aulas remotas neste primeiro semestre e já menciona o retorno presencial, sem demonstrar que as escolas da rede têm condições de atender aos protocolos sanitários que garanta a preservação de vidas de toda a comunidade escolar.

Marco Moura, mestre em Gestão Pública e diretor de projetos em escola particular de São Luís não é um nome diretamente ligado e com experiência na gestão de políticas públicas para a educação. Vale lembrar que Eduardo Braide anunciou Esmênia Miranda como um marco da sua gestão que iria colocar a educação do município em um outro patamar e dialogar com a comunidade, pais e professores sobre o novo projeto pedagógico a ser desenvolvido por sua administração.

O Sindeducação lembra a todos que, neste período em que Esmênia Miranda esteve à frente da Semed, houve apenas uma reunião entre a entidade e a secretária e todas as demandas relacionadas aos direitos e necessidades da categoria foram apresentadas, assim como foram solicitados prazos; o sindicato também se colocou à disposição da secretaria para o diálogo permanente. Outras reuniões vieram, mas apenas com superintendentes da pasta. Com a troca anunciada na segunda-feira, a diretoria do Sindeducação espera que o novo secretário trate com prioridade essas demandas e que possa ser a interlocução com o prefeito Eduardo Braide para que ele inicie a Mesa de Negociação Permanente de 2021 e apresente soluções para tantas outras demandas negligenciadas há tantos anos.

A DIREÇÃO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *