Sindeducação e Promotoria da Educação visitam a UI Vila Embratel

O Sindeducação, acompanhado do titular da 1º Promotoria da Educação, Paulo Avelar, visitou a UI Vila Embratel, na manhã desta segunda-feira, 20, para verificar o andamento da obra no local.

A entidade sindical denunciou ao MP, na semana passada, a paralisação das obras da escola, que deveria ser entregue no início do segundo semestre letivo. Mas, de acordo com denúncias de pais e alunos, os trabalhadores não estavam seguindo com o serviço devido à falta de pagamento.

O promotor da Educação e a direção sindical se reuniram com a gestora da escola, Maria das Dores, e o engenheiro da Secretaria Municipal de Educação (SEMED), Marcelo, para tratar da reforma e a previsão de término.

Na oportunidade, o promotor indagou ao engenheiro sobre a empresa que foi contratada e a descrição dos serviços prestados. Informou, ainda, que cobrará da SEMED informações sobre o prazo de entrega da obra, para que se realize uma reunião e comunique a todos os pais e responsáveis sobre o reinício das aulas.

A presidente do Sindeducação, prof.ª Elisabeth Castelo Branco, destacou que “a SEMED deve ter responsabilidade, cumprir os prazos estabelecidos, e entregar à comunidade escolar uma reforma de qualidade. Há escolas que depois de reformadas, em curto prazo de tempo, apresentam os mesmos problemas, ou seja, recurso público mal aplicado. Por isso, a fiscalização é importante e necessária, esta deve ser feita pelos pais, professores, gestão da escola, pelo sindicato e pela própria SEMED ”.

“Após receber a denúncia do sindicato, a promotoria agendou logo uma inspeção ao local para verificar a obra, e vamos fazer todos os encaminhamentos legais, no intuito de resolver o mais breve essa situação”, disse o promotor Paulo Avelar.

Luta pela reforma

Veja a galeria de fotos da UI Vila Embratel 

No mês de maio, a entidade sindical provocou uma reunião com representantes do MP e da SEMED, para que a comunidade escolar cobrasse a reforma do prédio, em decorrência dos sérios problemas estruturais do ambiente. Na época, a aluna, Nayra Lima, cobrou um prazo do secretário de Educação, Moacir Feitosa, que se comprometeu em iniciar os serviços de reforma num prazo de 30 dias, que iniciaria em julho. Mas, o titular da pasta não cumpriu, atrasando mais um calendário escolar e prejudicando cerca de 750 estudantes.

O sindicato também alerta que o prejuízo será ainda mais grave para os alunos do 9º ano, que são no total 150 estudantes que migrarão para o ensino médio no próximo ano. “Com esse atraso, o processo da aprendizagem é prejudicado, e essa situação dificulta ainda mais as oportunidades desses jovens. O município falha em seu papel de ente público, na responsabilidade de ofertar uma educação pública de qualidade. O estudante que está fora da sala de aula, tem o seu tempo ocioso e fica vulnerável ao mundo das drogas, da criminalidade”, disse a 1º tesoureira, profª Izabel Cristina.

Relembre: 

http://sindeducacao.org/sindeducacao-alunos-e-pais-se-reunem-com-a-promotoria-da-educacao-para-cobrar-a-reforma-da-ui-vila-embratel

http://sindeducacao.org/precarizacao-da-educacao-publica-nao-e-falta-de-recursos-e-negligencia-da-gestao-publica

“A nossa luta é por uma educação pública de qualidade para as crianças e jovens de São Luís, para que eles possam galgar um futuro promissor, e estejam prontos e capacitados para concorrer às mesmas oportunidades dos alunos das escolas privadas. E se a prefeitura de São Luís não faz o seu papel, o Sindeducação continuará cobrando e lutando por melhorias no ensino público”, frisou a secretária de Assuntos Jurídicos, profª Raimunda Gualberto.

A entidade sindical permanecerá acompanhando a reforma de UI Vila Embratel, em total apoio aos professores, alunos e pais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *