Sindeducação visita UEB Leonel Brizola e verifica que as obras estão paralisadas


IMG_4910

IMG_4952

IMG_4956Na manhã, desta segunda-feira, 19 de junho, o Sindeducação esteve na UEB Leonel Brizola (polo), localizada no bairro Turu, onde pais e alunos se concentraram para cobrar respostas sobre o retorno das aulas. A unidade de ensino está há mais de duas semanas paralisada por causa da reforma, a Secretaria Municipal informou que a escola seria entregue para a comunidade escolar, mas os prazos foram descumpridos.

Conforme havia sido definido na última reunião de pais, a escola reabriria nesta manhã (19 de junho). Na esperança de iniciarem as aulas hoje, os jovens compareceram, mas, novamente foram dispensados sem data definida para a retomada do ano letivo, visto que o período de férias se aproxima.   IMG_5101

IMG_4983

Ao entrar na unidade de ensino, os diretores do Sindeducação se depararam com a reforma paralisada, sem nenhum trabalhador na localidade. Diante da situação, a professora Gleise Sales, cobra compromisso por parte da Secretária Municipal de Educação (Semed), “Se não houver realmente um posicionamento da Semed de manter prazos reais para iniciar e finalizar as reformas, no sentido de que a pasta precisa trabalhar com planejamento de serviço e compra de material. Toda essa situação remete para nós, professores,  que há uma ilusão apresentada através da mídia de que as reformas estão ocorrendo, mas os professores da base conhecem a verdadeira realidade dos espaços escolares.

IMG_5094A escola enfrenta graves problemas como a presença de pombos, que acumulam sujeiras nos forros, além de serem um risco para a saúde dos alunos e professores. Nas salas não têm ventiladores e lâmpadas suficientes; os banheiros são impróprios para uso e também não tem iluminação; as janelas e forros estão danificados. Os educadores e educandos também sofrem com o forte odor da vala que fica localizada ao lado das salas.

Em total estado de precariedade, a UEB Leonel Brizola não receberá por completo a reforma. O prédio foi dividido em blocos, sendo que um receberá os serviços de reparação e o outro não. “Como pode o professor trabalhar nesta situação” questionou a professora Raimunda Gualberto, secretária de assuntos jurídicos.

Indignados com o quadro caótico da escola, pais e alunos pedem exigem medidas efetivas do governo municipal para investtir em melhorias na educação pública. “Queria pedir para o prefeito melhorias para a nossa escola, para que possamos ter um ensino de qualidade”, desabafou o jovem, Jhonata. “ Nós queremos uma solução concreta, pois todos os anos é a mesma história. As autoridades precisam se manifestar e cumprir com seu papel que é de proporcionar uma educação digna”, complementou o pai, Manoel Santos.

IMG_5096

IMG_4960“Precisamos de uma reposta urgente dos poderes, para que eles resolvam a situação da educação de São Luís que está caótica”, sustentou o professor Giorgio Nunes.

O Sindeducação, que vem lutando por uma educação pública de qualidade e pela valorização dos professores, permanecerá atuando de forma incisiva, “denunciando e cobrando dos órgãos competentes medidas efetivas que possam melhorar o sistema educacional”, frisou a professora Isabel Cristina, Tesoureira.

Veja mais fotos da UEB Leonel Brizola 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *