Sindeducação vai às ruas protestar contra a PEC 241

b

O Sindeducação – gestão Renovar e Avançar na Luta- foi às ruas mais uma vez em defesa dos direitos da categoria e da Educação Pública Municipal de qualidade. Ontem (11), o sindicato marcou presença na grande mobilização da Greve Geral Nacional, organizada pela Frente Brasil Sindical. O ato público começou às 16 h, em frente à Biblioteca Benedito Leite.

Durante a mobilização, os representantes sindicais de diversas classes externaram suas reivindicações e repúdios contra a Proposta de Emenda Constitucional 241, que afronta direitos sociais básicos da população e dos trabalhadores. Em pleno ato de democracia e cidadania, tentaram usurpar o direito da presidente do Sindeducação, professora Elisabeth Ribeiro Castelo Branco, de representar sua classe e usar a palavra no protesto.

Um grupo que defende interesses próprios, e não da maioria, tentou, de forma frustrada, falar no lugar de quem foi reeleita, de forma limpa e transparente, pela categoria. Mas, as artimanhas não lograram êxito, e a professora Elisabeth fez uso louvável da oportunidade que foi concedida ao Sindeducação, em defesa da categoria e dos direitos dos trabalhadores. Ao final do discurso, foi ovacionada pelo grande público.

“Temos que nos unir. Precisamos construir movimentos não só com os trabalhadores, mas com os estudantes do nosso país. Juntos, temos que dizer não à PEC e não a Temer, que é um governo ilegítimo, que quer destruir os nossos direitos, a educação e a saúde pública do nosso país, estado e município. Nós educadores sabemos como está a educação pública da nossa cidade e do nosso país. Necessitamos de mais investimentos. Precisamos que a educação consiga um patamar significativo para nossas crianças e adolescentes, o que nós temos hoje é uma falta de respeito com os professores”, ponderou a professora Elisabeth.

melhor

Na defesa da manutenção dos direitos e não ao governo tirano de Temer, as entidades sindicais deixaram a Praça Deodoro e realizaram uma grande caminhada até a Avenida Beira Mar, onde se concentram na cabeceira da ponte do São Francisco, onde mais palavras de ordem e de mudança foram proclamadas, com veemência, por trabalhadores e estudantes. Centenas de pessoas inconformadas com o poderio do Governo Federal participaram do ato. Faixas e cartazes estampavam a revolta e as reivindicações dos destemidos trabalhadores e estudantes da região metropolitana de São Luís.

Os professores da rede pública municipal de São Luís, representados pelo seu atuante sindicato, deixaram seu brado de protesto contra a medida destruidora do presidente Michel Temer, e vão continuar incansáveis na luta por uma educação justa e de qualidade. A luta não pode parar.

“A PEC 241  vai ser uma destruição para os nossos direitos. Vai atingir a população que precisa dos serviços públicos. Temos que lutar para garantir a manutenção dos nossos direitos, que foram alcançados há décadas com luta e coragem. Nós que fazemos a educação, construímos com o nosso trabalho esse país, precisamos dizer não tanto a PLP 257, que já foi aprovada, quanto à PEC 241. Temos que ter coragem e ousadia para nos mobilizarmos contra a aprovação da PEC, que deve ser votada no final do mês de novembro. Não podemos nos calar. Continuemos na luta, companheiros!”, defendeu a aguerrida presidente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *