Sindeducação cobra do governo direitos dos professores aposentados

IMG_20160427_110056418_HDR

A diretoria do Sindeducação – gestão “Renovar e Avançar na Luta” se reuniu com representantes do governo municipal nesta quarta-feira (27), para cobrar celeridade no cumprimento dos direitos dos professores aposentados.

Esteve presente a professora Elisabeth Castelo Branco, presidente do Sindeducação, acompanhada dos professores Benedito Oliveira Filho e Orffisa Surama, dirigentes sindicais, e do assessor jurídico da entidade, advogado Antônio Carlos Araújo; os secretários municipais Lula Filho e Mittyz Fabíola Carneiro Rodrigues, de governo e administração, respectivamente; a presidente do IPAM, Maria de Lourdes; representantes das secretarias de Educação e Fazenda, além de educadores aposentados.

“Não compactuamos com a postura omissa do governo municipal em relação à prática de protelar os direitos dos educadores aposentados – desta forma a grande maioria deles são desassistidos pela atual gestão. Nossa briga é pelo respeito e pela valorização desses profissionais que já se doaram por longos anos em sala de aula”, pontuou a presidente.

O assessor jurídico da entidade sindical, advogado Antônio Carlos Araújo, no decorrer da reunião, mencionou a numerosidade de processos já encaminhados ao poder judiciário requerendo direitos que são garantidos em lei aos aposentados.

“Solicitamos ao governo municipal que não acumule mais processos, pois ficará inviável a concretização dos mesmos aos aposentados. Cada vez que um processo atrasa fica mais difícil do município cumprir – pois gera complexidade nos trâmites e acarreta num montante de processos não cumpridos. Tudo isso vem desgastando os profissionais que dependem desses benefícios. Enquanto existir indisposição política o cumprimento dos direitos não avançam”, pontuou o assessor.

“Temos professores doentes na rede que necessitam de tratamentos sérios, e muitos desses aposentados dão entrada nesses direitos e passam quase vinte anos para garantir, ou seja, alguns morrem e não usufrui do benefício em tempo hábil”, disse a professora Elisabeth.

“As aposentadas fizeram uso da palavra e se pronunciaram durante a reunião. “Precisamos desfrutar dos nossos direitos. Passamos tanto tempo ensinando e quando entramos em processo de aposentadoria o município esquece da gente. Nos sentimos desvalorizadas diante desse aspecto. Queremos nossos direitos enquanto ainda podemos desfrutar da vida”, protestaram as aposentadas.

Além de pontuar a intransigência do governo pelo descumprimento de um direito legal desses profissionais, a professora Elisabeth Castelo Branco cobrou insistentemente os processos encaminhados a Secretaria de Educação. Na reunião foi cobrado os processos – Classe A e D; Unidade Real de Valor (URV); trâmite de férias, entre outros.

Na ocasião foram efetuados vários encaminhamentos às secretarias de Governo, Educação, Administração, Fazenda e Planejamento, além da PGM e o IPAM. Será marcada uma nova reunião com a Secretaria Municipal de Educação (SEMED) e com a Procuradoria Geral do Município (PGM). Fique atento e acompanhe as informações oficiais no site do Sindeducação.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *