Sem transporte e energia, Escolas da Zona Rural têm aulas suspensas

Finalizada

O prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Júnior, e o secretário de Educação, Geraldo Castro Sobrinho, estão conseguindo um feito praticamente impossível: piorar a situação de descaso e abandono vivida pela Educação Pública da capital.

Em visita realizada a duas escolas na tarde de terça-feira, dia 12, pelas professoras Elisabeth Castelo Branco e Márcia Dutra, dirigentes do Sindeducação, foi constatado que a situação ruim de 2015 piora a cada dia que se passa nesse ano de 2016. As UEB´s Uruati e José de Itapera, localizadas na zona rural (BR 135), visitadas são a prova inequívoca do que o Sindeducação vem denunciando ao longo dos últimos três anos: a Educação agoniza por falta de compromisso da gestão pública municipal.

As aulas estão suspensas na UEB Uruati por falta de pagamento da energia elétrica. O outro motivo, não menos escandaloso é a falta de transporte escolar para os alunos, em virtude da greve dos motoristas que estão com meses de salários atrasados.

Os alunos do período noturno, por exemplo, estão sem aula desde o dia 06 de janeiro. Sem aula, os sonhos e esperanças de dias melhores para pais e alunos, fica cada dia mais distante.

Para a professora Elisabeth Castelo Branco, presidente do Sindeducação, a situação constatada é um absurdo, inaceitável, visto que as verbas federais destinadas à educação garantem recursos para pagamentos deste tipo de despesa. “A má gestão ou mesmo falta de boa vontade reina no império do descompromisso instalado na SEMED”, se indignou a presidente.

Além destes problemas, a falta de estrutura mínima de funcionamento na UEB Uruati, por exemplo, agrava a situação. “Nessa Escola encontramos o cenário de total abandono, janelas quebradas, matagal alto, declives e buracos criados por um processo de erosão que está em estágio avançado”, explicou a dirigente Márcia Dutra.

Já na UEB José de Itapera, os muros delimitadores da escola são baixos, o que facilita a entrada de vândalos. As melhorias na rede elétrica e hidráulica da UEB (fios, troca das lâmpadas, bocais, interruptores, tomadas, canos, torneiras, etc.) foram bancadas pelos próprios funcionários da escola que cansaram de esperar do município.  Até um portão foi instalado pelos próprios funcionários, no intuito de evitar arrombamentos no local.

 

TRÊS ANOS DE SOFRIMENTO NA ZONA RURAL – Não são poucas as comunidades da zona rural que deveriam ser atendidas pelo transporte escolar municipal de forma eficaz – um sonho!

As comunidades de Coliê, Ananandiba, Rio Grande, Mata de Itapera, Matinha e Matinha do Rio Grande, representam cerca de 97% dos usuários do transporte escolar, o que dá aproximadamente 836 crianças, todas sem aulas ocasionadas pela falta de compromisso do prefeito e secretário municipal de Educação.

Informamos que a matéria foi alterada devido equivoco de informação acerca da suspensão das aulas na UEB José de Itapera por falta de energia elétrica.

O calendário da escola não foi afetado.

Matéria corrida em 19/01, às 19:11.

Imprensa Sindeducação.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *