Reajuste salarial para todos!

Na semana passada, durante a 4ª Rodada da Mesa de Negociação, a gestão do prefeito Eduardo Braide propôs o reajuste salarial de apenas 5% nos vencimentos dos profissionais do magistério com nível superior, declarando ser este o percentual possível para não “impactar negativamente nos cofres do município”.

A proposta, claro, foi rechaçada veementemente pelo Sindeducação e membros da mesa de negociação, que, mais uma vez, cobraram dos representantes da Secretaria Municipal de Educação (Semed), Secretaria Municipal de Administração (Semad) e do Instituto de Previdência e Assistência do Município (Ipam) toda a documentação que demonstre a viabilidade de reajuste para ser analisado pela entidade sindical, com informações de estudo de impactos financeiro e o demonstrativo com os custos com a folha de pagamento do magistério.

Vale destacar que a solicitação do Sindeducação foi feita na instauração da Mesa de Negociação, mas, desde o ano passado, já foram remetidos às pastas dezenas de ofícios sobre este mesmo assunto. A diretoria do Sindeducação alertou aos presentes na Mesa de Negociação que toda a categoria se reunirá em Assembleia Geral neste sábado para formalmente ser apresentada pela entidade a proposta dos 5% e que os profissionais do magistério da rede pública municipal de ensino já estão em estado de greve.

Apesar da omissão da Prefeitura de São Luís, quanto aos dados solicitados pelo Sindeducação, o Ipam conseguiu entregar aos diretores da entidade sindical documentos relativos aos aposentados e pensionistas, como Estudo de Impacto Atuarial e a Folha de Pagamento do exercício de 2022. A presidente do Ipam, Nádia Quinzeiro, declarou não ser possível entregar o do ano de 2021, pois a folha de pagamento desses servidores estava, até então, sob responsabilidade da Semad. Neste encontro, os diretores do Sindeducação, mais uma vez, expuseram as dificuldades enfrentadas pelos professores e professoras aposentados (as), que sofrem, a cada dia, com a queda do poder de compra ocasionada pela alta da inflação no país.

A diretoria do Sindeducação, representada pela vice-presidente Ester Durans, o secretário de Assuntos Jurídicos, Cássio Souza e pela 1ª secretária Geral, Rose Costa neste encontro no Ipam, que contou com a presença também dos professores aposentados Sérgio Ribeiro (membro da Mesa de Negociação 2022) e Concimar Pestana, informou que a entidade fará um estudo técnico da documentação apresentada pelo Ipam e seguirá lutando pelo reajuste de 33,24% com repercussão em toda a carreira dos profissionais do magistério e vai rebater todo argumento e postura contraditória do prefeito, que diz valorizar os profissionais, mas quer conceder o reajuste imoral de 5%. Sem avanços nas tratativas, os professores e professoras da rede pública municipal seguirão mobilizados para uma greve geral.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *