Nota de esclarecimento e repúdio

NOTA DE REPÚDIO

O Sindeducação – Gestão Resistir, Lutar e Avançar nas Conquistas vem a público esclarecer e repudiar a nota da Secretaria Municipal de Educação veiculada no JM TV, primeira edição da TV Mirante, nos dias 22 e 23 de fevereiro, em resposta às reportagens que falam sobre a falta de aula na UEB Carlos Madeira e Nascimento de Moraes, dos bairros do Anjo da Guarda e Cidade Operária.

As reportagens evidenciam a insatisfação dos pais com a paralisação das aulas desde o ano passado. Os alunos também denunciaram que o ano letivo de 2017 ainda não foram concluídos, devido as reformas nas escolas que ainda não foram finalizadas. A reforma na UEB Carlos Madeira teve início no mês de outubro e na UEB Nascimento de Moraes no mês de dezembro. As duas escolas apresentam um histórico de problemas, inclusive, denunciados pelo Sindeducação.

No entanto, a SEMED, em sua nota, tenta justificar os atrasos no calendário escolar “em decorrência das greves dos professores”.

O Sindeducação repudia a postura da SEMED que tenta ludibriar a sociedade e responsabilizar os profissionais do magistério pela falta de gestão e planejamento por parte da pasta Educacional, uma vez que a mesma não atua de forma preventiva nas manutenções das escolas do município.

O movimento paredista em 2017 teve início em agosto e teve 34 dias de paralisação, sendo correspondente a 23 dias letivos. Esclarecemos que a reposição das aulas está sendo feita regularmente, com responsabilidade e em respeito ao direito dos estudantes da rede municipal de São Luís.

O Sindeducação afirma que não irá permitir que a Secretaria Municipal de Educação macule a luta dos professores, responsabilizando os Profissionais do Magistério da Rede Pública de São Luís por questões que são de competência da administração pública.

Reiteramos o nosso repúdio e não nos calaremos diante de acusações infundadas. O Sindeducação continuará defendendo a Educação pública de qualidade e cobrando do poder executivo a resolução dos problemas existentes na rede pública municipal de São Luís.

Veja os vídeos

 

A Diretoria

2 Comentários

  • MARIA disse:

    Na UEB Paulo Freire, na Liberdade, a reforma não foi concluída, existe até uma central de fiação elétrica exposta bem na secretaria e qualquer criança pode ter acesso tornando-se um risco; esgotos na área externa sem tampa, sem tampa, a empresa responsável pelas obras não tem mais contrato com a prefeitura e a Semed ficou de concluir os trabalhos e até hoje nada, o sindicato poderia ir até a escola para conferir de perto o que estou postando.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *