Falta de infraestrutura – escolas permanecem funcionando em situação precária  

LUÍS MARTINS

A diretoria do Sindeducação – gestão “Renovar & Avançar na Luta”, visitou, na tarde da terça-feira, 12 de abril, as escolas municipais: U.E.B Luís Martins (Monte Castelo); U.E.B Moranguinho (Monte Castelo), U.E.B Gardênia Ribeiro Gonçalves (Madre Deus), U.E.B Newton Barjonas Lobão (Jardim América) e a U.E.B Recanto dos Pássaros (Jardim América) –  todas da educação infantil.

Na escola Luís Martins, o que se encontra é o forte comprometimento do corpo educacional com o ensino – diante das inúmeras dificuldades. A unidade escolar tem vivenciado um surto de cupineiros, que já se alastraram por todo prédio e deterioraram janelas, portas e paredes; as janelas estão impossibilitadas de abrir, devido a ação dos cupins. A infraestrutura do local também sofre com a grande incidência de goteiras nas salas de aula – e que tem causado um sério problema de infiltração. A UEB é uma das escolas entre as dez na lista de reformas emergenciais, mas, até agora, nada foi feito.

O calor, pouco espaço e a falta de água são os principais problemas da escola Gardênia Ribeiro Gonçalves. A unidade também precisa de reparos no telhado, que está bastante danificado.

NEWTON BARJONAS LOBÃO

Nas U.E.B’s Newton Barjonas Lobão e Recanto dos Pássaros, o estado é de pleno abandono. As escolas pertencem ao projeto de creche por tempo integral; entretanto, a Newton Barjonas não funciona e o prédio está sendo tomado pelo matagal da região; já a escola Recanto, funciona em condições indignas de infraestrutura, cuja caixa d’água do local está prestes a desabar por conta da ferrugem na estrutura.

Apesar da decadência de muitas escolas da rede pública municipal, a U.E.B Moranguinho atende aos padrões mínimos de uma boa infraestrutura – as salas são forradas e climatizadas; refeitório e banheiro conservados; água tratada para as crianças; e no caso da merenda – é claro – o cardápio oferecido é totalmente desqualificado.

O impacto negativo da gestão do Prefeito Edvaldo Holanda Júnior sobre a educação de São Luís tem condicionado sérias consequências no processo do ensino público e, com isso, tem transgredido as mínimas condições de desenvolvimento no espaço escolar.

Diante deste aspecto, vale analisar a conjuntura gerencial dos recursos destinados à educação pública de São Luís que no caso são FUNDEB, FNDE, PDDE E PDE. Vale ressaltar que os recursos têm a função complementar para com a verba governamental destinada ao ensino.

Como a Prefeitura de São Luís tem gerenciado esses recursos? 

Essa resposta é mais uma incógnita na gestão do Prefeito Edvaldo Holanda Júnior. O que se pode afirmar é que a educação pública vive o maior caos da história da capital maranhense – os espaços escolares estão precarizado e totalmente fora dos padrões mínimos de qualidade e dignidade.

O Sindeducação – gestão “Renovar & Avançar na Luta” continuará reforçando a luta em prol de uma educação pública de qualidade – e cobrando do governo municipal – atitude e comprometimento com o sistema educacional. “Educação de qualidade se faz com responsabilidade e empenho. Vamos persistir nessa luta contra esse desgoverno, que vem se mantendo omisso, para mudar esse cenário trágico do ensino”, pontuou o professor Benedito Oliveira Filho, diretor sindical.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *