EM DEFESA DA CARREIRA DO MAGISTÉRIO: os (as) professores (as) da rede pública municipal de São Luís vão lutar!

Após mais de um ano de mandato, finalmente o prefeito Eduardo Braide resolveu dialogar com os servidores públicos, tendo recebido pessoalmente os diretores do Sindicato dos Funcionários e Servidores Públicos Municipais de São Luís – Sinfusp-SL nesta terça-feira, 15 de março, dando início às negociações da Campanha Salarial de 2022. Surpreendentemente, na tarde de ontem, 17, em mais uma reunião da mesa de negociações, a administração municipal apresentou ao Sinfusp-SL uma proposta de reajuste para todos os servidores do município, bem como os documentos com estudo de impacto no orçamento e a folha dos servidores públicos e de gastos com pessoal.
Claro que o Sindeducação fica muito feliz e enaltece essa merecida vitória de todos os servidores públicos da cidade de São Luís, que já amargam um arrocho salarial de mais de seis anos. Com uma inflação de mais de 10%, gasolina de R$ 7,00 o litro e a cesta básica consumindo boa parte dos nossos salários, aspiramos que o prefeito conceda os 11% de reajuste reivindicados pela categoria dos servidores públicos ou apresente um índice maior que demonstre seu respeito pelos serviços prestados por esses trabalhadores.
Por outro lado, a diretoria do Sindeducação se mostra surpresa com todos esses acontecimentos, porque, com mais de um mês da instauração da Mesa de Negociação com os professores (10 de fevereiro), a Prefeitura de São Luís não foi capaz sequer de apresentar documentos como a folha de pagamento do magistério ou a prestação de contas do Fundeb de 2021, que dirá uma proposta concreta de reajuste que contemplasse toda a categoria, bem como o estudo de impacto orçamentário desse reajuste.
Na última reunião da mesa de negociações, isso parecia uma tarefa inalcançável para a administração de Eduardo Braide, tanto que foi mais fácil para o prefeito enviar à Câmara Municipal, um projeto de Lei com uma proposta de reajuste (atualização do vencimento dos professores com formação Nível Médio) que, se aprovado, contemplaria apenas 889 profissionais, o que representa menos de 10% dos professores e professoras da rede. No parlamento, após muita mobilização, diálogo intenso com vereadores e muita organização política, conseguimos que o projeto não fosse apreciado, uma vitória, parcial, mas uma vitória política do sindicato e da categoria.

A pergunta que não quer calar!

Por que o prefeito Eduardo Braide não recebe a categoria de professoras (es)? Durante todo o ano de 2021 e início de 2022 sempre buscamos o diálogo com a administração municipal, numa luta incansável pela disponibilização de aparato tecnológico para que estudantes e professores pudessem desenvolver suas atividades pedagógicas na modalidade remota, pela realização das reformas nas escolas para que ninguém da comunidade escolar fosse obrigado a trabalhar/estudar em ambiente insalubre, pela convocação de profissionais aprovados no concurso de 2016, que não tinham sido chamados, mesmo existindo carências na rede, pela publicação da Lei de Unificação, garantindo que professores com duas matrículas regularizassem sua vida funcional. Isto é, a Diretoria do Sindeducação e a categoria de professores (as) sempre com disposição para trabalhar pela melhoria da educação de São Luís, desta forma, questionamos ao prefeito: os (as) professores (as) de São Luís, mais de 8 mil servidores (as), entre ativos (as) e aposentados (as) não merecem valorização?
Hoje, 18 de março, aguardamos até às 18h, para que a Prefeitura apresentasse a proposta de reajuste para toda categoria, com valorização da carreira, considerando o Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos (PCCV), em que se faz necessária a atualização da tabela salarial para os professores (as) de Nível Médio e Nível Superior, ativos (as) e aposentados (as). Já sabemos, após estudo realizado pela Diretoria do Sindeducação, que é possível, sim, conceder o reajuste salarial para todos (as) os profissionais do magistério, tendo em vista que São Luís deve receber, somente de recursos do Fundeb, cerca de 523 milhões neste ano, o bastante para atender à folha anual de pagamento do magistério que atualmente está em torno de 351 milhões, contando com o pagamento das progressões de 2020 e 2021, o que alcança somente 67,11% dos recursos do Fundeb. Lembrando que o Novo Fundeb indica o investimento em valorização do Magistério, da folha de pagamento, de no mínimo 70%. A Prefeitura de São Luís pode investir mais, como em 2018 já utilizou em 86,79% com valorização dos professores.
No entanto, além de não apresentar nenhuma proposta de reajuste para toda categoria ou a documentação solicitada desde 10 de fevereiro (estudo de impacto orçamentário, folhas de pagamento dos servidores do magistério, ativos e aposentados, referentes aos exercícios de 2021 e dos meses de janeiro e fevereiro de 2022, além da prestação de contas do Fundeb, exercício de 2021), foi enviado ofício convocando nova reunião da mesa de negociação para dia 25 de março, às 10 horas da manhã, na Escola de Gestão Municipal – EGEM.
Consideramos um desrespeito com nossa categoria, um descaso em resolver a demanda de perdas salariais acumuladas em mais de cinco anos. Sendo assim, convocamos todos os professores da rede pública municipal para Assembleia Geral que a entidade promoverá na próxima quinta-feira, 24 de março de 2022, a partir das 16h30min (1ª chamada), no Salão de Eventos da Fiema, localizado na Av. Jeronimo de Albuquerque (Cohama). A pauta principal da assembleia será deliberação sobre estado de greve.
Não vamos recuar nenhum milímetro na luta por nossos direitos e pela valorização da carreira do magistério de São Luís, é possível avançar na pauta e conquistar o reajuste para toda categoria, mas para isso é preciso mobilizar mais. Professoras e professores, dialoguem com seus colegas de trabalho, com amigos e familiares, a luta em defesa da educação é de todos (as) e, neste momento, precisamos do apoio da sociedade.
Venha com a gente construir a luta por uma nova história para educação de São Luís!

#reajusteparatodacategoriaja

#braidevalorizeosprofessores

IMPORTANTE
O Edital de Convocação desta Assembleia Geral foi publicado nesta sexta-feira, 18 de março, no Jornal Pequeno, Editoria Geral, página 8.
A participação com direito a voz e/ou voto será garantida a todos e todas que participarem da assembleia de forma presencial. As deliberações tomadas nesta assembleia prevalecerão para todos os fins de direito, e a ela se vinculam os (as) trabalhadores (as) sindicalizados (as) ou não à entidade sindical.
A fim de garantir o bom funcionamento e agilidade no atendimento durante a atividade, o sindicato disponibilizará um canal de pré-inscrição para o evento. Os (as) professores (as) poderão cadastrar-se previamente, confirmar sua presença e acessar o local, assinar a frequência e pegar o crachá, sem que seja necessário confirmação de todos os seus dados novamente, evitando assim, filas e aglomeração na entrada.
Professores e professoras não esqueçam de levar um documento de identificação com foto.  Docentes não filiados (as) devem apresentar também cópia do contracheque, como comprovação de vínculo como professor da rede municipal.
Para ver o Edital, acesse nosso site, clicando no link (AQUI):

1 comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *