CAMPANHA SALARIAL | Após reunir com Sindeducação, presidente da Câmara Municipal convoca secretário de Educação para reunião

Reunião foi intermediada pelo vereador e professor Sá Marques. O sindicalista Saulo Arcangeli ofertou apoio e acompanhou a Diretoria do Sindeducação na reunião.

A presidente do Sindeducação, professora Elisabeth Castelo Branco, reuniu-se com o presidente da Câmara Municipal de São Luís, vereador Osmar Filho, para apresentar as demandas dos professores da rede e a situação de caos vivida pela Educação Pública da Capital. O encontro, intermediado pelo vereador Sá Marques, realizado no último dia 17, resultou na convocação do secretário de Educação, Moacir Feitosa, para reunião nesta sexta-feira (31) com os vereadores e o sindicato.

Além de apresentar as principais demandas da categoria, como o repasse, pela Prefeitura de São Luís, dos 4.17% do reajuste nacional do magistério, a sindicalista pontuou sobre as perdas salariais de 17,46%, acumuladas ao longo da atual gestão municipal. No quesito infraestrutura da Rede, a presidente relatou o caso das 30 escolas que estão com as atividades suspensas; a precariedade das escolas que estão em funcionamento; falta de professores; de materiais didáticos; dentre outros problemas.

Diretoria do Sindeducação fez um histórico da tentativa de negociação com a SEMED, e do silêncio de 120 dias do secretário de Educação.

Cópia dos mais de 50 ofícios remetidos pelo Sindeducação à SEMED foram apresentados durante a reunião com o presidente do Legislativo Municipal. “Nenhum deles foi respondido, e a SEMED está há 120 dias sem dialogar com os educadores”, frisou a professora.

Para Elisabeth Castelo Branco, a situação da Educação Municipal nunca esteve tão grave como na atualidade, prejudicando cerca de 5 mil alunos que estão sem aulas. “A visão da SEMED sobre o quadro geral da Educação é totalmente diverso da realidade vivenciada em sala de aula, onde temos, por exemplo, um deficit de 1500 professores”, pontuou.

O Sindeducação tem denunciado a situação de dezenas de escolas, que possuem salas de aula fora do padrão desejável, superlotadas de alunos; ambientes sem ventilação, iluminação, propagação de mofo; tetos e forros desabando, contribuindo fortemente para evasão escolar e perda de receita pelo Município de São Luís.

“É até incoerente presenciar essa situação, pois o repasse do FUNDEB por exemplo, até o mês de Abril, foi feito na ordem de R$ 147 milhões de reais à Prefeitura de São Luís. Até o fim do ano deve chegar a R$ 351 milhões, sem contar os outros recursos, como FNDE e os 25% obrigatórios da arrecadação municipal”, lembrou a dirigente do sindicato.

Além de intermediar a reunião, Sá Marques, que além de vereador é professor, fez um discurso na tribuna da Câmara, em defesa da Educação. “Estou aqui, como representante do povo, para reafirmar meu apoio principalmente a classe desses educadores que dedicam suas vidas a ensinar as pessoas mundo afora. Tenho certeza que, após essa reunião, chegaremos num consenso que beneficiará toda a classe“, destacou Sá Marques.

LISTA DE ESCOLAS – Durante a reunião, professora Elisabeth Castelo Branco apresentou a lista de escolas visitadas pelo sindicato, com os principais problemas enfrentados. Na lista, a sindicalista destacou a situação do Anexo Pavãozinho, na Cidade Olímpica, que funciona em uma casa alugada pertencente ao vereador Pavão Filho, e não é adequada para receber uma escola.

A situação dos alunos da UEB Mata Roma também foi pautada. O prédio que deveria funcionar a escola está fechado. As crianças estão alocadas na Igreja Católica da Cidade Operaria, fruto do esforço do Sindeducação para que as crianças não percam o ano letivo. A UEB. Pastor Estevão, Camélia Viveiros entre outras, também, foram citadas na reunião com o presidente da câmara.

O vereador Marquinhos apontou a grave situação da UEB Carlos Madeira, que está com as atividades paralisadas, apesar de passar o ano de 2017 fechada para uma reforma que deixou os mesmos problemas. Os professores estavam sob ameaça de relotação e remanejamento para outras escolas.

ENCAMINHAMENTO – O presidente Osmar Filho se prontificou a buscar diálogo dentro do governo para retomada das negociações suspensas, sem qualquer motivo, pela SEMED. “O importante, nesse momento, é a retomada do diálogo propositivo, tanto pelo Governo quanto pelos professores, e essa Casa vai intermediar, criar uma ponte para avançarmos nas questões apresentadas”, destacou Osmar Filho.

O secretário Moacir Feitosa foi chamado a se reunir, nesta sexta-feira (31), com o presidente da Câmara Municipal, vereador Osmar Filho; vereador Sá Marques, e com o Sindeducação.

Imprensa Sindeducacão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *