Assembleia da categoria delibera pela suspensão da greve

Os professores e professoras de São Luís reuniram-se na tarde de sexta-feira,  6 de maio na Praça Maria Aragão, e  deliberaram por suspender a greve, após 19 dias de um movimento intenso e emocionante, que reuniu milhares de professoras(es) nas ruas, conscientes de que estavam defendendo a educação pública, condições dignas de trabalho e valorização salarial e da carreira do magistério. 

O clima na assembleia era de satisfação pelo que foi construído até aqui e um sentimento de que a categoria tem muito mais força para lutar. A mobilização, organização e unidade foram as maiores conquistas políticas deste movimento paredista.

Devemos lembrar que a Mesa de Negociação começou com 0% de reajuste para professores de nível superior, considerando que o Prefeito Eduardo Braide encaminhou um PL à Câmara Municipal que garantia somente reajuste do piso aos professores de nível médio. Após cinco reuniões da Mesa de Negociação, que durou mais de dois meses, a Prefeitura de São Luís apresentou apenas 5%, o que ensejou a finalização das negociações e a deflagração da greve.  Mesmo com a Prefeitura de São Luís solicitando a ilegalidade do movimento, ameaçando e  pressionando os professores com corte de ponto, desconto de salários e processos administrativos, a categoria não se intimidou e manteve a greve.

Eduardo Braide pagou caro para manter o editorial da principal emissora de TV da cidade do seu lado, tentando colocar a população contra os docentes. Não deu certo.  Milhares de pessoas nas ruas não calaram sua voz e pautaram o debate público sobre as condições reais das escolas e a necessidade de investir na educação pública.

O último ataque à greve foi a publicação de Edital com Seletivo para substituição dos (as)  professores (as) grevistas. Uma ação intransigente e autoritária da Prefeitura de São Luís,  criando expectativas falsas em milhares de trabalhadores (as) desempregados (as) da cidade,  com contratos temporários que podiam durar somente dias! Um Seletivo cuja fonte orçamentária era o próprio salário dos professores grevistas.  Isso mesmo, de acordo com informações da Secretária de Educação Caroline Salgado, o salário dos (as) professores(as) grevistas, seria transferido para os profissionais substitutos! Isso é tão perverso quanto irresponsável do ponto de vista social e político. 

Mas, a categoria conseguiu ser mais coerente e comprometida com a rede municipal de ensino que o prefeito Eduardo Braide, soube o momento de recuar, para recobrar as forças e resistir lutando. Suspendeu a greve, num aceno à população de que seu principal compromisso é com a educação pública da cidade, e aceitou o acordo proposto pelo Ministério Púbico do Maranhão (MP-MA), em reunião com o Sindeducação/ Comando de greve e a Prefeitura.

Leia os termos do acordo:

Sindicato:

1. Suspensão da greve,  retorno às salas no dia 09 de maio (segunda feira);

2. Envio de proposta de calendário de reposição das aulas.

Prefeitura:

1. Concessão de reajuste aos professores de nível superior de 10,06% retroativo a janeiro, que será implantado assim que o PL for aprovado na Câmara Municipal. O retroativo será pago em duas vezes, nos meses de  julho e agosto;

2. Suspensão do Seletivo de contratação para substituto dos grevistas (lembrando que o seletivo não poderia contratar professores para cobrir as carências que existem atualmente nas escolas);

3. Não cômputo de faltas e não corte de pontos, mediante reposição das aulas;

4. Não abertura de Processos Administrativos Disciplinares em razão da adesão à greve;

Outros pontos:

1. Mesa de Negociação vai continuar para análise do orçamento e folha de pagamento da Prefeitura, para verificação dos percentuais apresentados durante as negociações.  Ministério Público vai oficiar a Semed para que forneça todas as informações e documentos solicitados pelas assessorias contábeis do MP-MA e Sindeducação;

2. Mesa de Negociação para debater as outras pautas da Campanha Salarial 2022;

3. Prefeitura tem que apresentar cronograma das reformas das escolas.

A Greve está suspensa, mas a luta continua.  A categoria permanecerá em alerta para acompanhar as deliberações a serem realizadas nas Assembleias convocadas.

Nossa Greve e luta são legítimas.

Braide valorize os professores.

Reforma de todas as escolas já!

Veja o vídeo gravado da Assembleia Geral

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *