JUNTOS SOMOS GIGANTES!

Ouvimos sempre a frase clichê: “professor é a profissão que forma todas as profissões”. Mas, será que somos valorizados como deveríamos?

No governo de Edvaldo Holanda Junior, pela sua intransigência, descaso e falta de diálogo, estamos na quarta greve. Mas, infelizmente, a tradicional e conservadora justiça e a mídia insistem em tratá-las como ilegítimas, e são comuns comentários que colocam os alunos como os grandes prejudicados da greve. Greve significa “não dá mais!”.

Este recurso é sempre o último, quando já cessaram todos os diálogos e, portanto, é um importante instrumento de reivindicação trabalhista; seja pelo motivo que for, significa uma incapacidade do poder público em dialogar e atender as demandas dos trabalhadores. Com a categoria de professores, isso não é diferente. Cabe a nós, a responsabilidade de garantir pedagogicamente a educação básica à população do nosso município, e, infelizmente, não temos o suporte necessário para exercermos nossa profissão da melhor maneira.

Com salas de aula superlotadas, infraestrutura sucateada e salário baixo, o ofício do professor na escola torna-se um desafio. Não é por acaso que muitos professores precisam de tratamento médico, psicológico e/ou psiquiátrico. O professor é um trabalhador desrespeitado, desvalorizado, desprestigiado, explorado e com uma carga de responsabilidades superior às suas atribuições.

Diante da situação em que nos encontramos, o diálogo entre a prefeitura de São Luís e os professores não existe. Temos um governo municipal “antipovo”, “antieducação”, “antiprofessor”, que não prioriza a política educacional em sua Lei Orçamentária Anual, pelo contrário, retira dos serviços públicos essenciais, como Educação e Saúde, e aplica maior receita em outras pastas. Além da forma imperiosa, o governo Edivaldo Holanda Júnior (PDT) não negocia com a categoria e impõe a sua vontade, ou melhor, sua falta de vontade política. Estamos há dois anos sem reajuste e com péssimas condições de trabalho. Com uma situação insustentável, a apelação para a prática da greve é justa, legítima e necessária em prol de uma causa autêntica e igualitária!

Nesse contexto, a nossa luta, além de essencial, tem uma dupla função: primeiro, garantir os nossos direitos trabalhistas e, segundo, como consequência da primeira, promover a melhoria da qualidade do ensino. O que prejudica os alunos não é a greve, e sim a causa da greve, pois não podemos ser intitulados de professores se não ensinarmos aos nossos alunos que, em certas situações, devemos levar o nosso trabalho para fora dos muros da escola e dar uma verdadeira lição sobre cidadania aos políticos que foram eleitos para servir ao povo.

Para o fortalecimento dessa luta, contamos com o apoio da sociedade ludovicense, para que veja a realidade da educação pública de São Luís e sinta-se corresponsável. Não são alguns dias, semanas ou meses que vão assolar uma educação já destruída, mas sim a desvalorização do professor e a falta de investimento na educação pública.

Precisamos reagir, pais, alunos e professores! Necessitamos unificar forças e lutar pelos nossos direitos, exigindo uma educação de qualidade para as crianças, os jovens e adultos que necessitam da escola pública.

A nossa luta, como professores, segue a mesma direção de quem acredita na educação, de quem acredita no desenvolvimento, de quem acredita que um dia vamos ter um ensino de qualidade, a partir da valorização dos profissionais que fazem a educação. Portanto, fazemos questão de deixar claro que os professores estão de mãos dadas, caminhando pela educação.  Pois juntos, unidos, nos tornaremos verdadeiros GIGANTES!

Elisabeth Ribeiro Castelo Branco

Presidente do Sindeducação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *