Greve Geral: Professores realizam ato em frente à Prefeitura de São Luís nesta sexta-feira

imagem_materia

Na manhã desta sexta-feira, 3 de junho, a categoria de Professores da Rede Pública Municipal, voltou às ruas, mais uma vez, em protesto a omissão e inércia do prefeito Edivaldo Holanda Júnior, que vergonhosamente não respeita o educador e empurrou a classe para mais uma greve em sua gestão.

A concentração iniciou na porta da Secretaria Municipal de Administração (SEMAD), Beira Mar, em seguida, os professores saíram em caminhada à Prefeitura de São Luís, onde realizaram um grande ato.

Novamente a categoria demonstrou sua força e bravura, e não se intimidou diante das grades de proteção e da presença de guardas municipais. A censura do governo não calou a voz dos professores, que entoaram em um só coro as canções alusivas à luta da classe.

“Não vamos calar e consentir a opressão do prefeito contra a educação. Ao longo do tempo as nossas escolas estão sendo destruídas por essa gestão incúria. Nossos alunos carecem de políticas educacionais e, de alguma forma, as problemáticas rotineiras nos espaços escolares vem interferindo no processo ensino/aprendizagem. Se tivermos que ir às ruas para tentar mudar essa realidade, com certeza vamos unir as forças em prol dos nossos alunos e dos nossos professores”, pontuou a presidente Elisabeth Castelo Branco.

As escolas da rede municipal estão sem segurança nos turnos diurno e noturno, mas, o prefeito Edivaldo Holanda Júnior colocou um quantitativo de guardas municipais para garantir a sua segurança. Por que o prefeito pode ter segurança e as escolas não? Por que há dinheiro para manter esse aparato de segurança e não há verba para pagar o reajuste dos professores? Essas e outras dúvidas pairam na categoria; e o governo municipal se mantém calado.

Os professores da rede pública municipal estão em greve há mais de uma semana, lutando para que os gestores públicos olhem para educação de São Luís, que vive o maior caos da história educacional e nada tem sido feito. Os problemas permanecem se arrastando desde a gestão de Castelo, e o atual prefeito tem dado continuidade à esse declínio na esfera educacional.

Desta forma, não tem como continuar. Os educadores não podem se calar diante da deterioração do sistema educacional. O professor está na rua lutando para que essa dura realidade seja transformada e para que se possa reconstruir uma nova história para as crianças e adolescentes de São Luís que almejam um futuro melhor através da educação.

Durante os discursos, os professores reforçaram que assim como o governo municipal tem exposto na mídia que está aberto para negociar, a categoria também quer manter o diálogo. “Queremos permanecer a discussão, mas com dados e fatos concretos, não apenas com pareceres negativos de que não se tem dinheiro. Queremos uma negociação justa e transparente”, frisou a professora Orfisa Surama.

A professora Nathália dos Santos ressaltou algumas situações que vem ocorrendo dentro das unidades de ensino, em que professores estão sendo repreendidos por alguns gestores de escola para não aderirem a greve. “É imoral e devemos denunciar essas atitudes; a nossa greve é legítima e vamos continuar no movimento, unificando e fortalecendo a nossa luta”, disse.

Professor(a) continue na luta!

Acompanhe a programação da Agenda de Greve no site do Sindeducação.

Sem Valorização Não Tem Educação!

2 Comentários

  • Carliane disse:

    Eu acompreendo toda a preocupação com as estruturas das escolas, mas ainda é mais grave deixá-las sem aula, sendo que não são todas as escolas que estão em uma situação crítica.

  • Joana disse:

    Professores vamos ponderar as coisas, dô meu apoio total a greve. Mas também fico triste pelos alunos prejudicados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *