Em nova rodada de negociação, Sindeducação discute pauta de reivindicação com a Semed

Foto 1

O Sindeducação participou na tarde de hoje, 05, da mesa de negociação que tratou da pauta pedagógica da Campanha Salarial 2018.

Participaram da reunião a diretoria do Sindicato, o representante da base, Antonísio Furtado, o secretário de educação, Raimundo Moacir Mendes Feitosa, a secretária Adjunta, Maria de Jesus, além das Superintendentes de cada modalidade de ensino e representantes de outros setores.

Na pauta de discussão a relotação de professores, jornada de trabalho, cobrança aos ofícios encaminhados à Semed e ainda, agendamento de reunião com as superintendentes de cada modalidade, entre outros assuntos.

Logo no início da reunião, a direção do Sindeducação questionou o secretário Moacir Feitosa sobre o agendamento da reunião com o comitê gestor financeiro para tratar sobre a pauta financeira, fato que o secretário explicou que a Semed já encaminhou o pedido e está aguardando a resposta do agendamento da reunião.

Relotação de professores – as representantes do Sindeducação questionaram o Secretário Moacir Feitosa sobre a portaria publicada no Diário Oficial do Município, no dia 26 de fevereiro, que trata da relotação de professores em UEB’s que se encontram paralisadas devido a reforma por período superior a 15 dias. Foi questionado sobre a volta desse professor para a escola de origem, a reposição das aulas e ainda sobre a possibilidade de o professor continuar na escola que foi relotado.

O secretário Moacir Feitosa explicou que a relotação vai seguir três regras básicas: os professores relotados vão poder escolher se querem voltar para a escola de origem. O profissional vai trabalhar até cumprir sua carga horária e o restante das aulas serão ministradas por um outro professor, até que os calendários se ajustem, não sobrecarregando os profissionais.

A direção do Sindeducação foi incisiva, quanto ao caso específico da UEB Nascimento de Moraes, em relação a relotação. As professoras dessa unidade de ensino, não querem ser relotadas. Apoiadas pelo Sindicato, elas irão redigir um documento se comprometendo a cumprir o calendário escolar após a reforma da escola, que segundo o secretário, deve ser entregue a população até o final de abril. Essa prática já vem sendo efetivada pela Semed, segundo a Superintendente do Ensino Fundamental, Arsênia de Souza.

Jornada de trabalho – Outro ponto debatido foi quanto a jornada de trabalho do professor e a hora atividade, principalmente em relação ao tempo de recreio e a organização do planejamento coletivo dos profissionais, conforme memorando divulgado pela Semed.

A vice-presidente do Sindeducação, professora Josidete Barbosa, argumentou aos representantes da Semed que, na maioria das escolas da rede, são os próprios professores que acompanham os alunos durante o recreio, fazendo com que a interação professor/alunos ainda permaneça. Inclusive, com escolas que não tem espaço para o desenvolvimento dessa atividade.

Conforme o memorando, o horário do recreio não é contabilizado dentro das quatro horas de interação aluno/professor. Segundo o secretário de educação, Moacir Feitosa, dependendo das condições das escolas e situações (escola sem espaços para recreação, com ausência de sala de professor e sem outros profissionais para acompanhamento do aluno na hora do recreio, sendo esse acompanhamento feito pelo professor, configurando assim, a interação professor/aluno), os 15 minutos devem ser adicionados nas quatro horas, afirmou o titular da pasta. Em relação ao planejamento coletivo, a determinação é que seja seguida a regra geral, mas inevitavelmente, vão existir casos específicos que devem ser solucionados mediante entendimento professor/gestor, devido aos pormenores de cada unidade de ensino.

Política de Valorização do Professor – o Sindeducação fomentou a discussão sobre as condições adequadas de trabalho nas escolas, dando ênfase para a segurança nas UEB’s, infestação de pombos, falta de bibliotecas, falta de sala de professor e ainda a superlotação das salas de aulas. As diretoras do Sindeducação questionaram ainda a efetivação do projeto de eleição direta para gestor escolar que, segundo a Secretária Adjunta, Maria de Jesus, está em fase de licitação e, logo após a concretização da empresa, será feita a publicação de edital com previsão para agosto. Foi requerido também pelo Sindeducação a relação de escolas que serão reformadas e ainda a relação de escolas que estão aptas a receber recurso federal, como o PDDE Campo e PDDE Água. Segundo os representantes da Semed os documentos serão encaminhados ao Sindicato.

Durante a reunião, a diretoria do Sindeducação exigiu retratação da Semed, que durante reportagem exibida em canal de televisão, responsabilizou o atraso no calendário escolar das UEB’s Carlos Madeira e Nascimento de Moraes, à greve dos professores, fato que foi facilmente refutado pela diretoria do sindicato.

Ao final da reunião foi agendada um novo encontro para o dia 14 de março, pela manhã e pela tarde, com as superintendentes dos segmentos do Ensino Fundamental, Educação Infantil e da modalidade de Ensino de Jovens e Adultos.

“Hoje conseguimos avançar em alguns pontos e questionar alguns posicionamentos da Semed em relação à jornada de trabalho e relotação dos professores. O Sindicato vai continuar vigilante, com responsabilidade e unidade para que a carreira do profissional do magistério seja valorizada e respeitada”, disse a professora Josidete Barbosa, vice-presidente do Sindeducação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *