CAOS NA EDUCAÇÃO | Sindeducação constata condições precárias da UEB Henrique de La Roque

Não há por parte da SEMED, trabalho de manutenção/reposição das cadeiras.

A diretoria do Sindeducação prossegue visitando as Unidades de Ensino Básico da Capital. Nesta segunda-feira, 11, foi a vez dos professores das UEB’s Henrique de La Roque e Vila Embratel conversarem com o sindicato. A professora Izabel Cristina Dias, dirigente sindical, dialogou com os educadores, e verificou as condições precárias a que estão submetidos educadores e alunos, na UEB Henrique De La Roque. O sindicato vai pedir uma fiscalização da Vigilância Sanitária no local.

Sindeducação reuniu com educadores do Anexo (UEB H. de La Roque).

A UEB Henrique de La Roque, localizada no Bairro Vila Embratel, não tem a mínima estrutura para iniciar o ano letivo. Dentre outros graves problemas, o teto está desabando; existem goteiras na maioria das salas de aula e espaços coletivos; ventiladores ameaçam cair; instalação elétrica necessita de manutenção urgente.

Goteiras ocasionam alagamentos nas salas de aula e nos espaços coletivos da escola.

Larvas e caramujos tomaram conta da cisterna que abastece a escola. A água é utilizada para fazer a merenda escolar dos alunos e para beber. Os banheiros da escola estão sem condições de uso. Vasos entupidos, descargas quebradas, e falta iluminação.

Banheiros sem condições de uso.

De acordo com a mãe de um aluno ouvida pelo sindicato durante a visita, vários acidentes já ocorreram. “Curto-circuito é comum no local devido às goteiras que caem diretamente na fiação elétrica, que está exposta em alguns locais”, disse ela.

No anexo dessa UEB a situação é ainda pior. As professoras destacaram que “Essa questão estrutural é antiga. Não temos condições dignas de trabalho e nem ambiente saudável para os alunos”, lamentaram.

Teto do corredor ameaça desabar.

Para a diretora do Sindeducação, a situação é revoltante e absurda, e agravada quando se fala em uma escola que foi reformada recentemente pelo município. “Como os professores dessa escola podem iniciar as aulas dia 22 de março? Mais uma vez a Secretaria Municipal de Educação de São Luís não cumpre o prometido”, denunciou a professora Izabel.

O Sindeducação vai pedir a interdição da escola à Vigilância Sanitária, até que a SEMED resolva os problemas sanitários do prédio.

Durante a visita, os professores receberam o Manual de Postura Funcional do Profissional do Magistério: Prevenção e Repressão ao Assédio Moral, que objetiva orientar e instruir os profissionais de educação, sobre seus direitos, deveres e quais providências adotar em caso de assédio moral. Os educadores também foram convidados a participar da próxima assembleia geral da categoria, em data e local a serem divulgados em breve.

UEB VILA EMBRATEL – O município iniciou a reforma da UEB Vila Embratel em agosto do ano passado, deixando alunos quase três meses sem aula. A situação dessa UEB, que é de propriedade do Estado, e municipalizada, é regular, e há condições mínimas de funcionamento.

Na UEB Vila Embratel, prédio do Estado, as condições são regulares.

“Essas visitas integram o nosso calendário anual de atividades, além disso, o Sindeducação procura atender a todos os chamados dos professores, que não são poucos, em razão das péssimas condições das escolas da Rede Municipal”, finalizou a diretora sindical.

Imprensa Sindeducação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *