CAMPANHA SALARIAL | Em reunião com Presidente da CNTE, Moacir Feitosa se compromete a ser resolutivo em reuniões de negociação

Primeira e única reunião realizada em 2019 pela SEMED com os educadores. Secretário passou quase 5 meses sem receber o Sindeducação para discussão das demandas da categoria, mas agora prometeu reunir e ser resolutivo. (Imagem: Arquivo Sindeducação).

Durante reunião com o presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação – CNTE, Heleno Araújo, o secretário de Educação de São Luís, Moacir Feitosa, se comprometeu a adotar uma postura propositiva e resolutiva para encaminhar diversas demandas pedagógicas dos educadores na mesa de negociação com o Sindeducação. O compromisso foi firmado durante reunião realizada na última quarta-feira, 19, na SEMED.

Nesta primeira reunião marcada para a próxima quarta-feira, 26, os educadores vão pontuar assuntos mais urgentes e determinar prazos para que a SEMED resolva, tornando o encaminhamento das ações mais eficiente e resolutivo.

De acordo com a professora Elisabeth Castelo Branco, presidente do Sindeducação, Heleno esteve em São Luís durante dois dias atendendo a um pedido feito durante reunião de trabalho em Brasília (DF), para que a confederação intermediasse esse diálogo, entre professores e administração. “É difícil de dialogar com a Administração Municipal, por isso, buscamos o apoio da nossa confederação na negociação salarial,  na pauta pedagógica com demandas urgentes e demais problemas”, explicou.

Os educadores ludovicenses, que, dentre outros, estão há três anos sem reajuste e já acumulam 17,46% de perdas salariais. Os direitos estatutários da categoria também não estão sendo pagos, administrativamente, pela Prefeitura de São Luís.

SAIBA MAIS – Após quase cinco meses sem receber o Sindeducação, e sob forte pressão dos educadores, de membros do próprio Governo Municipal, vereadores e sociedade civil, o secretário de Educação de São Luís, Moacir Feitosa, recuou e decidiu retomar as reuniões de negociação com o sindicato. Após reunião realizada na Secretaria de Educação – SEMED, no último dia 4 de Junho, solicitada pelos vereadores Osmar Filho, presidente da Câmara Municipal, e Sá Marques, o secretário remeteu ofício ao sindicato contendo calendário de reuniões com a entidade sindical. A primeira está marcada para esta quarta, dia 26.

Para a presidente do sindicato, o silêncio da SEMED e a quebra de diálogo com a categoria ao longo dos últimos 130 dias, prejudicou fortemente o andamento das demandas dos professores, e é preciso recuperar o tempo perdido com uma postura propositiva da secretaria. “É preciso ter maturidade para dialogar e saber que o gestor está passível de críticas, que servem para a melhoria do seu próprio trabalho”, frisou a presidente do Sindeducação, ao replicar o ressentimento do secretário de Educação.

“Nós não somos crianças para deixar de dialogar em face das críticas à Gestão da Educação, que, me perdoem, vêm de toda a sociedade ludovicense, começando pelos pais de alunos”, criticou a dirigente sindical.

ESTADO DE GREVE – A Direção do Sindeducação informou que a categoria manteve o Estado de Greve, aprovado durante a Assembleia Geral do último dia 15 de Maio. “A retomada do diálogo pela SEMED é apenas um passo, diante de uma grande caminhada por uma estrada repleta de obstáculos criados pelo secretário Moacir Feitosa. “Vamos tentar avançar e conquistar as demandas dos professores”, finalizou Elisabeth.

PAUTA – Além do reajuste salarial, a pauta de reivindicação aprovada durante assembleia geral do último dia 11 de janeiro, inclui as reivindicações da classe referentes ao Plano de Cargos, Carreiras e Vencimento, e estrutura da educação municipal:

• Cumprimento do PCCV vigente;
• Garantia do direito a 1/3 da carga horária para todos os professores da rede pública municipal, inclusive os recém-efetivados na rede;
• Normativa de dispensa de ponto durante sua jornada de trabalho, para participação de plenárias, formação sindical fórum e reunião (bimestral) na entidade sindical;
• Combate à perseguição política, ao assédio moral e sexual nos locais de trabalho;
• Validação de certificados (com pontuação) e declarações SEMED dos profissionais de magistério que participarem de seminário, congresso e outras atividades pedagógicas proporcionadas pela entidade sindical;
• Planejamento de reformas e manutenção física das escolas municipais;
• Convocação imediata dos concursados para sanar a deficiência da rede de ensino;
• Política educacional de valorização dos profissionais do magistério que tenha abrangência nas condições de trabalho, melhorias na infraestrutura física das escolas, saúde do trabalhador e segurança no trabalho.

Imprensa Sindeducação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *